Site em reformulação
Voltaremos em breve 

Atlético 'afanado', fica no empate com o São Paulo em Uberlândia
No último jogo como mandante longe de casa, o Atlético vacilou e cedeu o empate ao São Paulo, em 2 a 2, na noite desta quarta-feira (28), em Uberlândia.

Segundo gol dos bambis foi feito por Luiz Fabiano com o cotovelo aos 46 minutos do 2º tempo em absoluta irregularidade. Com o resultado, o Furacão cai para a décima primeira colocação. O Atlético abriu o placar no primeiro tempo com o meio-campo Bady, cedeu o empate na etapa final, em um pênalti cobrado por Rogério Ceni, fez o segundo no final com Cléo e num erro flagrante da arbitragem..

O jogo
Com apenas uma novidade em relação ao time que entrou em campo no clássico – a entrada do zagueiro Dráusio no lugar do suspenso Cleberson -, o Atlético não teve um bom desempenho no primeiro tempo.

Porém, o Furacão teve qualidade suficiente pra sair com o placar em vantagem na primeira parte do jogo. Na única oportunidade real de gol, o time do interino Leandro Ávila guardou, com o meio-campo Bady aproveitando a falha da zaga aos 29 minutos. A etapa final foi de um Atlético mais recuado, mas saindo com velocidade nos contra golpes. O São Paulo partiu pra cima em busca do empate.

Com a pressão do time visitante, Ávila optou pela entrada do volante João Paulo, para reforçar a marcação no meio-campo. Porém, o time mandante recuou muito e o São Paulo aproveitou. Aos 30 minutos, após penalidade de Deivid em cima de Luis Fabiano, o goleiro Rogério Ceni cobrou e empatou. O jogo ficou eletrizante nos minutos finais.

Aos 44 minutos, Cléo fez o segundo do Furacão, após o belo cruzamento de Natanael. Porém, o Atlético vacilou no último minuto. Em uma bola rebatida no braço de Luis Fabiano, o atacante empatou e deu números finais ao jogo. O Furacão volta campo no próximo domingo para encarar o Figueirense, às 18h30, em Florianópolis.

FICHA TÉCNICA
ATLÉTICO  2 X 2 SÃO PAULO
Local: Estádio Parque do Sabiá, em Uberlândia (MG)
Data: 28 de maio de 2014, quarta-feira
Horário: 22 horas (de Brasília)
Árbitro: Anderson Daronco (RS)
Assistentes: Marcelo Bertanha Barison e José Antônio Chaves Franco Filho (ambos do RS)
Cartões amarelos: Léo Pereira e Deivid (Atlético-PR); Osvaldo (São Paulo)
Gols: ATLÉTICO: Bady, aos 30 minutos do primeiro tempo, e Cléo, aos 44 minutos do segundo tempo; SÃO PAULO: Rogério Ceni, aos 30, e Luis Fabiano, aos 46 minutos do segundo tempo

ATLÉTICO: Weverton; Sueliton, Dráusio, Léo Pereira e Natanael; Deivid, Otávio, Bady (João Paulo) e Marcos Guilherme; Douglas Coutinho (Nathan) e Éderson (Cléo)
Técnico: Leandro Ávila
SÃO PAULO: Rogério Ceni; Douglas, Lucão, Antônio Carlos e Reinaldo; Souza, Denilson (Hudson) e Paulo Henrique Ganso; Alexandre Pato (Boschilia), Luis Fabiano e Osvaldo
Técnico: Muricy Ramalho

Depois da vitória no clássico, Atlético retoma confiança e busca resultado positivo diante do São Paulo
Boa apresentação diante do rival, no domingo em Maringá, mostrou que o time atleticano tem potencial de crescimento.

Técnico interino soube dispor a equipe dentro de campo e os jovens talentos são a esperança de revivermos o Furacão da temporada passada. Todos ligados em Uberlândia, na expectativa de somarmos mais 03 pontos no Brasileirão/2014. Dá-lhe!

Último jogo como mandante longe de Curitiba
O Atlético encerra hoje à noite sua vida cigana neste início de Campeonato Brasileiro. Contra o São Paulo, a partir das 22h no estádio Parque do Sabiá, em Uberlândia, o Furacão cumpre o último jogo da primeira parte da suspensão dada pelo STJD pela briga de torcedores da última rodada do Brasileirão do ano passado. Depois da Copa do Mundo o time irá mandar os quatro jogos restantes da pena jogando na Arena da Baixada, mas com os portões fechados. Os balanços financeiro e esportivo dessa peregrinação não foram tão positivos como esperado, mas igualmente não foram tão ruins como projetado.

Em quatro jogos longe de Curitiba como mandante o Furacão venceu dois (contra o Grêmio, em Florianópolis, e Coritiba, em Maringá), perdeu um (contra o Cruzeiro, em Brasília) e empatou outro (contra a Chapecoense, em Maringá). Em relação ao dinheiro arrecadado houve lucro em Santa Catarina e Brasília (neste caso substancial, com cerca de R$ 300 mil), e prejuízo nas partidas disputadas em Maringá. Os jogos longe do torcedor causaram também saia justa internamente. O ex-treinador Miguel Ángel Portugal chegou a reclamar da iniciativa abertamente, o que levou a diretoria a acertar os dois últimos jogos no nosso estado.

Desta vez o acordo com a secretaria de esportes de Uberlândia não prevê o pagamento de aluguel. “Não temos o costume de fazer a cobrança de aluguel do estádio em eventos como esse. Fazemos isso para fomentar o esporte e para que Uberlêndia esteja na mídia. Para nós é muito bom”, disse Deisiani de Souza, secretária de Esportes da cidade mineira. “Esperamos pelo menos 20 mil torcedores”, concluiu.

Alheio a essa situação, o técnico Leandro Ávila tem como foco único a vitória. O objetivo é a soma do máximo de pontos possíveis antes da parada para a Copa do Mundo. “Teoricamente vamos jogar em casa e em casa temos que fazer nosso dever. A obrigação maior é nossa”, disse o comandante. Natanael reconhece as dificuldades que o time terá. “A gente tem a meta de alcançar a maior pontuação possível até a parada da Copa. Sabemos que contra o São Paulo será um confronto direto e difícil”, contou. Para este jogo Dráusio entra no lugar de Cleberson, que cumpre suspensão.

Em campo nesta noite:

Atlético: ainda interino, o técnico Leandro Ávila promove apenas uma mudança após a vitória no clássico Atletiba. O zagueiro Dráusio entra na vaga do suspenso Cleberson. O resto do time será o mesmo. Com isso, o Furacão terá Weverton; Sueliton, Dráusio, Léo Pereira e Natanael; Otávio, Deivid, Bady e Marcos Guilherme; Douglas Coutinho e Ederson.

São Paulo: como de costume, o técnico Muricy Ramalho não revelou a escalação. Ele não poderá contar com o volante Maicon, suspenso pelo terceiro cartão amarelo, e está entre Hudson e Denilson para a posição. No mais, o time será o mesmo que venceu o Grêmio por 1 a 0: Rogério Ceni. Douglas, Lucão, Antônio Carlos e Reinaldo; Hudson (Denilson), Souza e Paulo Henrique Ganso; Alexandre Pato, Luis Fabiano e Osvaldo.

Semana de alegria, vitória no Atletiba, repercussão e "entrega de chaves" da Arena da Baixada pra FIFA
Marcos Guilherme exalta "ânimo novo" no plantel atleticano
A atuação do Atlético neste domingo não foi das mais brilhantes, porém a equipe jogou o suficiente para bater o Coritiba por 2 a 0 e voltar a vencer no Campeonato Brasileiro  após cinco rodadas. Autor do primeiro gol rubro-negro, Marcos Guilherme ressalta a nova postura do elenco sob comando do técnico interino Leandro Ávila.

“Estou muito feliz. Mas não só eu, acho que o grupo inteiro está de parabéns, nosso time jogou muito”, analisa o meio-campista. “Nós já tínhamos falado que o grupo tinha ganhado ânimo novo, então hoje mostramos mais uma vez e conseguimos sair com a vitória”, completa o camisa 10 do Furacão em entrevista ao PremiereFC.

A vantagem do Furacão no Atletiba foi construída no começo do segundo tempo, quando Marcos Guilherme recebeu da direita e bateu de primeira para abrir o placar. Na sequência, o zagueiro Luccas Claro se desentendeu com a bola na pequena área e fez contra para ampliar o marcador para o time rubro-negro.

Apesar da blitz da etapa final, o autor do primeiro gol admite que a atuação nos 45 minutos iniciais não foi das melhores. “No primeiro tempo a gente não estava jogando muito com a bola, aí chegou o intervalo e o professor conversou com a gente, falou que não jogamos bem até ali.

Na segunda etapa a gente chegou para decidir o jogo e conseguimos fazer os dois gols”, finaliza Marcos Guilherme. Com a vitória no clássico, o Atlético sobe para a décima colocação do Campeonato Brasileiro, com nove pontos conquistados em sete partidas. O próximo compromisso é contra o São Paulo, nesta quarta-feira.

ESPN Brasil
Atlético-PR resolve em 2min, vence Atletiba e afunda rival Coritiba na zona do rebaixamento.

Num Atletiba sem muitas emoções e apenas com torcida rubro-negra, o Atlético-PR venceu o Coritiba por 2 a 0 neste domingo, pela 7ª rodada do Campeonato Brasileiro, no estádio Willie Davids, em Maringá-PR. A vitória é duplamente satisfatória para os rubro-negros, que, além de subirem na tabela, ainda afundam de vez o rival na zona do rebaixamento.

Após um primeiro tempo fraco, o Atlético definiu a partida em apenas dois minutos na etapa complementar. Primeiro, Suéliton cruzou da direita e Marcos Guilherme chegou batendo de primeira para anotar um belo gol. Pouco depois, Natanael bateu falta e a bola explodiu no travessão, mas voltou em Luccas Claro, que, sem querer, mandou  O placar, inclusive, poderia ter sido até maior, já que o Atlético-PR teve gol anulado de maneira equivocada no primeiro tempo, após o árbitro Edivaldo Elias da Silva assinalar impedimento inexistente de Natanael.

Com o resultado, os rubro-negros vão a 9 pontos e sobem para a 10ª colocação do Brasileirão, ficando a apenas quatro pontos do G-4, que tem Fluminense, Cruzeiro, Goiás e Grêmio. Os alviverdes, por sua vez, permanecem com 4 pontos, em 19º, na zona da degola.
O placar, aliás, deixa o técnico Celso Roth na corda-bamba, já que o treinador ainda não venceu nenhuma partida no comando do clube do Couto Pereira. Na próxima rodada, o Atlético-PR viaja para enfrentar o São Paulo, na quarta-feira, às 22h (horário de Brasília), enquanto o Coritiba enfrenta o Criciúma, também fora de casa.

FICHA TÉCNICA:
ATLÉTICO-PR 2 X 0 CORITIBA
Local: Estádio Willie Davids, em Maringá-PR
Data: 25 de maio de 2014, domingo
Horário: 16h (horário de Brasília)
Público: 1.063 pagantes / 1.840 presentes
Renda: R$ 39.202,00
Árbitro: Edivaldo Elias da Silva (PR)
Assistentes: Bruno Boschilia (Fifa-PR) e Rafael Trombeta (PR)
Cartões amarelos: Weverton, Cleberson e Otávio (CAP); Welinton, Keirrison, Carlinhos, Geraldo e Júlio César (COR)
GOLS
ATLÉTICO-PR: Marcos Guilherme, aos 11, e Luccas Claro (contra), aos 13 minutos do segundo tempo
ATLÉTICO-PR: Weverton; Sueliton, Cleberson, Léo Pereira e Natanael; Deivid, Otávio, Bady (João Paulo) e Marcos Guilherme; Douglas Coutinho e Éderson (Nathan) Técnico: Leandro Ávila
CORITIBA: Vanderlei; Luccas Claro, Welinton e Leandro Almeida (Geraldo); Victor Ferraz, Chico, Baraka, Alex (Jajá) e Carlinhos; Roni e Júlio César (Keirrison) Técnico: Celso Roth

Furacão vence bem, 2 x 0, cresce no Brasileirão e afunda Coxa no ZR 4 
Com gol de Marcos Guilherme, Lucas Claro contra e um gol atleticano mal anulado. Rubro-Negro Paranaense mostra que está vivo na competição e já projeta um novo padrão de jogo, tocando bem a bola e aproveitando a velocidade da equipe jovem em contra-ataques contundentes.

Somando os pontos conquistados no clássico, Atlético vai a 09 pontos na 10ª posição do campeonato, enquanto o Coritiba fica com 04 pontos na 18ª posição. Próximo jogo do Furacão é na quart-feira (28), em Uberlândia, MG.

Time da Baixada constrói vantagem em dois minutos, vence Atletiba e complica de vez o rival
Menos de duas mil pessoas presenciaram o Atletiba disputado no estádio Willie Davids neste domingo, e o futebol apresentado por Atlético e Coritiba realmente não mereceu ótimo público. Em partida marcada pela falta de criatividade, o Furacão fez dois gols em dois minutos no segundo tempo e segurou os 2 a 0 até o final. O triunfo é o segundo no Campeonato Brasileiro do time rubro-negro, que afunda o rival na zona de rebaixamento.

Após amargar cinco jogos sem vencer no Brasileirão, o Atlético volta a acumular três pontos e agora está três jogos sem perder. Com nove pontos, a equipe passa a ocupar a décima colocação do torneio. O próximo compromisso é contra o São Paulo, pela oitava rodada, na próxima quarta-feira.

Já o Coritiba segue sem saber o que é vencer neste Campeonato Brasileiro. O péssimo início é composto por quatro empates e três derrotas e o revés no Atletiba pode dificultar ainda mais a situação da equipe coxa branca na sequência da competição. O Alviverde é o 18º colocado com quatro pontos.

O jogo – O clássico começou marcado pela falta de criatividade. Enquanto Júlio César era acionado apenas na bola aérea pelo lado coxa branca, o Atlético-PR mostrava dificuldades para passar do meio-campo. A primeira oportunidade foi do Furacão, aos 11 minutos, quando Douglas Coutinho avançou pela esquerda e chutou mascado para tranquila defesa de Vanderlei.

Com maior posse de bola, o Coxa chegou minutos depois com o capitão Alex. O camisa 10 avançou bem pelo meio e aproveitou a marcação frouxa para arriscar de pé direito, mas mandou para fora. Roni teve outras duas oportunidades: primeiro em chute longo bem defendido por Weverton, depois ao invadir a área e bater prensado.
Em seguida, as equipes passaram a se alternar no ataque.

Enquanto Roni seguia concentrando as ações pelo lado direito do ataque do Coritiba, o Atlético-PR chegou bem em chutes de Otávio e Marcos Guilherme. Apesar da melhora na criação de jogadas, a primeira etapa terminou em zeros. Já após o intervalo o contexto mudou. Nas duas primeiras vezes que visitou a área adversária, o Atlético-PR conseguiu dois gols. Aos 11 minutos, Marcos Guilherme recebeu cruzamento de Sueliton dentro da área e bateu de primeira para vencer o goleiro Vanderlei. Dois minutos depois, Natanael acertou a trave em cobrança de falta e a bola explodiu em Luccas Claro antes de entrar.

Com a vantagem conquistada de uma hora para a outra, o Atlético assimilou ainda mais a postura defensiva para apostar nos contragolpes. O técnico Celso Roth colocou o atacante Geraldo em campo para dar velocidade ao time e o Coxa melhorou por alguns minutos, mas deixando cada vez mais espaço na defesa.
À medida que o tempo passava, porém, o Furacão tocava a bola no campo de ataque esperando o final da partida. A pressão do Coritiba também não tomou corpo a ponto de assustar o goleiro Weverton, exceção feita a chute de primeira de Victor Ferraz após escanteio cobrado por Alex.

O capitão alviverde inclusive fez partida bastante apagada, refletindo a dificuldade do Coritiba para criar oportunidades, e acabou substituído na segunda etapa. Sem sustos, o Atlético garantiu o triunfo segurando a partida no campo ofensivo.

 
Contagem Regressiva
para a
Copa do Mundo na Baixada

Faltam 12 dias